INVASÃO CIVILIZATÓRIA NO NOVO MUNDO E O GIRO DESCOLONIAL: NOTAS PARA UMA TEORIA JURÍDICA DE RESISTÊNCIA

Giovane Moraes Porto, Maria Gabriela Brandino

Resumo


A presente pesquisa pretende analisar a invasão civilizatória europeia no Novo Mundo. Tendo como principais referenciais as construções teóricas de Enrique Dussel e Pierre Clastres. Assim, o objetivo desta pesquisa é resgatar a contra-história dos nativos do Novo Mundo, e demonstrar que a invasão civilizatória europeia ocorreu mediante a dominação e sujeição legitimada por um discurso eclesiástico de salvação. Verificarse-á a necessidade do giro descolonial para a construção de uma teoria jurídica capaz de estruturar o corpo político da sociedade do Novo Mundo. A metodologia utilizada possui caráter dedutivo a partir de pesquisa bibliográfica. É esperado chamar atenção dos juristas para o fato de que a história jurídica e política do Novo Mundo devem ser estruturadas a partir da noção de resistência, com um viés de desobediência em face dos axiomas europeus que foram introjetados violentamente nos povos ameríndios.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Movimentação Processual da Justiça Estadual. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2014.

_______. Conselho Nacional de Justiça. Semana Nacional de Conciliação - 2013 - 02/12/2013 a 06/12/2013. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2014.

_______. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Comparativos das Semanas de Conciliação (2007-2010). Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2014.

BOBBIO, Norberto. Teoria da Norma Jurídica. Tradução: Fernando Pavan Baptista e Ariani Bueno Sudatti. Bauru, SP: Edipro, 4ª ed. revista, 2008.

BUSTAMANTE, Thomas da Rosa de. Teoria do Precedente Judicial: a justificação e a aplicação de regras jurisprudenciais. São Paulo: Noeses, 2012.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

CALADO, Maria dos Remédios. A Autocomposição: uma análise das modalidades usuais e dos elementos processuais e não processuais na resolução dos conflitos. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 88, maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2014.

CAVALCANTI, Fabiano Robalinho. Arbitragem e Mediação: Roteiro de Curso. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.

CONSULTOR JURÍDICO – CONJUR. Reduzir demanda do Judiciário não vai prejudicar advocacia, afirma OAB. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2014.

DIDIER JR., Fredie. Curso de Direito Processual Civil – v.1. Salvador: JusPodivm, 2013.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Tradução João Baptista Machado: revisão para a edição brasileira Silvana Vieira. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

TRENTIN, Taise Rabelo Dutra; TRENTIN, Sandro Seixas. A crise da jurisdição: A mediação como alternativa de acesso à justiça para o tratamento dos conflitos. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 83, dez 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2014.

WANDERLEY, Waldo. Mediação. Brasília: Editora MSD, 2004.

YARSHELL, Flávio Luiz. Para pensar a Semana Nacional de Conciliação. Folha de São Paulo, 08.12.2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil