SOBERANIA, ESTADO DE DIREITO E EXCEÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS-NACIONAIS PARA ALÉM DO MITO DO CONTRATO SOCIAL E OS DIREITOS DA PESSOA HUMANA

Diogo Valério Félix

Resumo


Opresente estudo tem por finalidade apresentar um debate crítico sobre a concepção da soberania moderna dos Estados-nacionais e sua relação dos direitos da pessoa humana, acompanhando o debate jusfilosófico e político entre Hans Kelsen e Carl Schmitt. Neste sentido, o artigo apresenta, de um lado, os elementos conceituais para se estabelecer a soberania e legitimidade de um Estado democrático de direito sob a ótica do liberalismo, partir da internacionalização dos direitos da pessoa humanos, como chave de interpretação tradicional do contrato social, e, do outro, a impossibilidade de se estabelecer tal interpretação em razão da relação entre soberania e exceção que marcam a estrutura jurídica, política e econômica dos Estados nacionais contemporâneos.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer. O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo, Belo Horizonte. Editora UFMG, 2002,

BERCOVICI, Gilberto. Entre o estado total e o estado social: atualidade do debate sobre direito, estado e economia na República de Weimar. 2003. Tese (Livre docente em Direito Econômico) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em Acesso em 22/04/2019.

BERNANDO, Ferreira. O risco do político: crítica ao liberalismo e teoria política no pensamento de Carl Schmitt. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

BELTRAN, Fernanda E.; RAMIRO, Caio E. L. Os primeiros passos rumo ao autoritarismo: aproximação da crítica da Carl Schmitt a democracia weimariana. In: BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique Lopes (Orgs.). Sonhos e Pesadelos da Democracia em Weimar – Tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs, 2017.

BORON, Atílio; Gonzáles, Sabrina. Resgatar o inimigo? Carl Schmitt e os debates contemporâneos da teoria do estado e da democracia. Filosofia Política Contemporânea: Controvérsias sobre Civilização, Império e Cidadania. Bueno Aires: ConsejoLatinoamericano de CienciasSociales – CLACSO; São Paulo: Departamento de Ciências Políticas. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. Abril 2006.

BOTTOMORE, Tom. (ed.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

BUENO, Roberto. Schmitt: pensando a exceção desde a crítica à democracia parlamentar weimariana. In BUENO, Roberto (Org.). Filosofia & política: tensões entre liberdade, poder e democracia. Uberlândia-MG/Madrid: EDUFU/Editorial Dykison, 2014.

_____. Antiliberalismo e conservadorismo teológico: de Donoso Cortés a Carl Schmitt. In: BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique (Orgs.). Sonhos e Pesadelos da Democracia em Weimar – Tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs, 2017.

BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique (Orgs.). Sonhos e Pesadelos da Democracia em Weimar – Tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs, 2017.

GAY, Peter. A cultura de Weimar. Trad. De Laura Lúcia da Costa Braga. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

GIACOIA JÚNIOR, Oswaldo. Agamben: Por uma ética da vergonha e do resto. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

_____. Entre a regra e a exceção: fronteiras da racionalidade jurídica. In: BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique (Orgs.). Sonhos e Pesadelos da Democracia em Weimar – Tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs, 2017.

GONÇALVES, Ana Teresa Marques. Lei e ordem na república romana: uma análise da obra de Legibus de Cícero. Justiça & História, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 125-148, 2002. Disponível em http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/ri/13407.

FULBROOK, Mary. História Concisa da Alemanha. Trad. Barbara Duarte. São Paulo: Edipro, 2012.

HERZOG-MARQUES, Jesus Silva. Sismologia política. Um apunte sobre Carl Schmitt. In: Isonomia: Revista de teoria y filosofia delderecho, nº 4, p. 149-155, 1996.

HOBSBAWM, Erick. A era dos impérios: 1875-1914. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

KELSEN, Hans. Direito internacional e Estado soberano. Tradução de Marcela Varejão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_____. Teoria pura do direito; [tradução João Baptista Machado]. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

____. A Democracia. 2ª ed. - São Paulo: Martins Fontes, 2000.

____. Teoria Geral do Direito e do Estado; [tradução Luiz Carlos Borges]. 4ª ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2005.

LOPES, Paulo C. L.; SILVA, Felipe A. E tudo era efêmero e se desfez: uma leitura do colapso econômico e social da República de Weimar. In: BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique Lopes (Orgs.). Sonhos e Pesadelos da Democracia em Weimar – Tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs, 2017.

MATOS, Andityas Soares de Moura Costa. A Norma Fundamental De Hans Kelsen Como Postulado Científico Rev. Fac. Direito UFMG, Belo Horizonte, n. 58, p. 41-84, jan./jun. 2011.

NEUMAN, Franz. Estado democrático e estado autoritário. Trad. Luiz Corção. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1969.

SCHMITT, Carl. Teologia Política. Trad. Inês Lohbauer. In: A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta, 1996.

_____. O conceito do político. Trad. Alvaro L. M. Valls. São Paulo: Vozes, 1992.

TENBROCK, Robert-Hermann. História da Alemanha. Traducidodelamemán por Francisco EquiarayBohigas. Munchen: Max Hueber, 1968.

THOMSON, David. Pequena História do Mundo Contemporâneo. Rio de janeiro: Zahar Editores, 1971.

WAGAR, W. Warren, H. G. Wells: Traversing Times. WesleyanUniversit Press, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil