DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET: UMA ANÁLISE SOBRE A EXPOSIÇÃO PORNOGRÁFICA NÃO CONSENTIDA E O DIREITO À INTIMIDADE.

Natália Soares Teixeira Costa

Resumo


O presente trabalho estuda a aplicação do direito ao esquecimento na internet nos casos de exposição pornográfica não consentida. O problema da pesquisa encontra-se delimitado da seguinte forma: considerando a mudanças nas relações sociais trazidas pelo advento da internet como deve se processar o direito ao esquecimento no caso de situações envolvendo exposição pornográfica não consentida? Verificaremos o conceito jurídico de “Pornô de vingança”, bem como a estrutura do direito à intimidade, bem como estudar-se-á o conflito existente entre o Direito à intimidade e a memória coletiva. Por fim serão levantadas as hipótese de aplicação do direito ao esquecimento nos casos de exposição pornográfica não consentida. É necessário que se processe o direito ao esquecimento, na medida em que se trata de questões de foro íntimo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Cláudio Rodrigues; RODRIGUES, Mônica Walter. A memória coletiva e o direito ao esquecimento. In: VII Congresso Brasileiro da Sociedade da Informação Regulação da Mídia na Sociedade da Informação. São Paulo, 16-17 de nov. 2014. Disponível em:

. Acesso em: 29 jan. 2018.

BRASIL. Código Civil. Lei n o 10.406, de 10 de janeiro de 2002

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BRASIL. Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Brasília, 31 dez. 1940. Disponível em: . Acesso em:28 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 24 mai. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018. Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para tipificar os crimes de importunação sexual e de divulgação de cena de estupro, tornar pública incondicionada a natureza da ação penal dos crimes contra a liberdade sexual e dos crimes sexuais contra vulnerável, estabelecer causas de aumento de pena para esses crimes e definir como causas de aumento de pena o estupro coletivo e o estupro corretivo; e revoga dispositivo do Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941 (Lei das Contravenções Penais). Diário Oficial da União, Brasília, 24 set. 2018.

Disponível em: . Acesso em 22 dez. 2019.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1334097/RJ – Rio de Janeiro. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão. Pesquisa Jurisprudência, Recurso Especial, 28 mai. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 31 jan. 2018.

BUCAR, Daniel. Controle temporal de dados: o direito ao esquecimento. Revista Civilistica.com. Rio de Janeiro, a. 02, n. 03, 2013, p. 01-17.

BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de Direito Constitucional, 9ª edição, São Paulo, Saraiva, 2015.

CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional. v.14 Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional, 7ª edição, Bahia: Editora Jus Podivm, 2015.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, volume 1: parte geral, 11ª edição, São Paulo, Saraiva, 2013.

JÚNIOR, AntonioRulli; NETO, AntonioRulli direito ao esquecimento e o superinformacionismo: apontamentos no direito brasileiro dentro do contexto de sociedade da informação. Revista Esmat.Palmas, a.05, n.06,jul./dez. 2013, p. 11-30.

LÉVY, Pierre. Ciberdemocracia. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

LIMA, Erik Noleta Kirk Palma. Direito ao esquecimento:

discussão européia e sua repercussão no Brasil. Revista de Informação Legislativa. Brasília, a. 50, n. 199, jul./set. 2013, p. 271-273.

PIMENTEL, Alexandre Freire. CARDOSO. Mateus Queiroz. A regulamentação do direito ao esquecimento na lei do marco civil da internet e a problemática da responsabilidade civil dos

provedores. Revista da AJURIS. Rio Grande do Sul, v. 42, n. 137, mar. 2015, p. 45-61.

REYNOLDS, James. Tiziana Cantone: a italiana que teve a vida destruída por vídeos virais de sexo. BBC Brasil. São Paulo, 20 fev. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2019.

STEINER, Renata C. Breves notas sobre direito ao esquecimento. In: Carlos Eduardo PianovskiRuzyket al.(Orgs.). Direito Civil Constitucional: a ressegnificação da função dos institutos fundamentais do direito civil contemporâneo e suas consequências. Florianópolis: Conceito, 2014, p. 87-102.

SYDOW, Spencer Toth; DE CASTRO, Ana Laura Camargo. Exposição pornográfica não consentida na internet: da pornografia de vingança ao lucro. Coleção Cybercrimes. Belo Horizonte: Editora D’Placido, 2017.

SYDOW, Spencer Toth. Exposição Pornográfica Não Consentida na Internet e as mudanças da Lei nº 13.718/2018. p. 1. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2019.

SANTOS, Diego Fruscalso dos. A invenção da ciberdemocracia: o conceito de democracia na era do ciberespaço. São Leopoldo: UNISINOS, 2013, 85 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Faculdade de Filosofia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil