ALIENAÇÃO PARENTAL: UMA AFRONTA AO PRINCÍPIO DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR SALUTAR

Daniella Miranda Santos, Isabela Alves Mattos, Rubens Vinicius Vieira Nascimento

Resumo


A proteção do Estado às instituições familiares orienta-se por uma série de princípios que objetivam a efetividade dos direitos previstos no ordenamento jurídico, seja em âmbito constitucional, assim como nas normas infraconstitucionais, contribuindo para o desenvolvimento das crianças e adolescentes, delineando garantias e deveres. Nesse sentido, o instituto da Alienação Parental atinge o contexto familiar, de modo que sua prática comumente ocorre em circunstâncias de dissolução do vínculo conjugal, mediante uma campanha desqualificadora promovida por um genitor à proporção que prejudica o vínculo entre o alienado e o outro genitor, portanto, recomenda-se a análise da lei 12.318/2010, a qual permite a melhor compreensão de seus indícios, demonstrando quais medidas serão adotadas e seus efeitos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Sandra Maria Baccara. O sujeito alienador. In: SILVA, Alan Minas Ribeiro da. A morte inventada: alienação parental em ensaios e vozes/ org: Alan Minas Ribeiro da Silva e Daniela Vitorino Borba–1 ed.– São Paulo: Saraiva,2014.

BEDRAN, Bia. Os direitos do homem. In: SILVA, Alan Minas Ribeiro da. A morte inventada: alienação parental em ensaios e vozes/ org: Alan Minas Ribeiro da Silva e Daniela Vitorino Borba–1 ed.– São Paulo: Saraiva,2014.

BRASIL, LEI 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm>. Acesso em 10 de agosto de 2017.

BRASIL, LEI 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm>. Acesso em 22 de fevereiro de 2017.

BRASIL, LEI 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm>. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

CARVALHO, Dimas Messias de. Direito das famílias. – 4 ed. – São Paulo: Saraiva, 2015.

DIAS, Maria Berenice. Alienação Parental: uma bala perdida que mata. In: SILVA, Alan Minas Ribeiro da. A morte inventada: alienação parental em ensaios e vozes/ org: Alan Minas Ribeiro da Silva e Daniela Vitorino Borba–1 ed.– São Paulo: Saraiva,2014.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de Direito Civil: Famílias - 8 ed.- Salvador:JusPodivm,2016.

FIGUEIREDO, Fábio Vieira. Alienação Parental- Fábio Vieira Figueiredo e Georgios Alexandridis–2 ed. – São Paulo: Saraiva,2014.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, volume 6: direito de família. –10 ed. – São Paulo: Saraiva,2013.

JESUS, Jéssica Alves de; COTTA, Manuela Gomes Lopes. Alienação parental e relações escolares: a atuação do psicólogo. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 20, n. 2, p. 285-290, ago. 2016. Disponível em: . Acesso em 24 de março de 2017.

MARTINS, Francisco de Oliveira. A alienação parental e a guarda compartilhada- Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012.

SARMET, Yvanna Aires Gadelha. Os filhos de Medeia e a Síndrome da Alienação

Parental. Psicol. USP, São Paulo, v. 27, n. 3, p. 482-491, dez. 2016.Disponível em:

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 24 de março de 2017.

SOUZA, Raquel Pacheco Ribeiro de. Reflexões para um novo tempo. In: SILVA, Alan Minas Ribeiro da. A morte inventada: alienação parental em ensaios e vozes/ org: Alan Minas Ribeiro da Silva e Daniela Vitorino Borba–1 ed.– São Paulo: Saraiva,2014.

TRINDADE, Jorge. Manual de Psicologia Jurídica para operadores de Direito- 5. ed. – Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil