UM TESTAMENTO SEM BENS: A EVOLUÇÃO LEGAL DO DIREITO À MORTE DIGNA

Norton Maldonado Dias, Rui José Costa Fernandes Rousseq, Thalisson Make Ramos

Resumo


O presente trabalho versa sobre o testamento vital, tentando responder a problemática questão entre o dever do médico, a vontade do paciente e o confronto com a legislação brasileira em vigor, através da metodologia dedutiva, bibliográfica, como também por pesquisa de campo. Para isso, o trabalho teve como objetivo explicar o porquê do testamento vital e sua importância, haja vista que sonda a hipótese da dignidade do paciente. Vale ressaltar que o presente desenvolvimento se justifica como expressão da personalização do Direito Civil, tendo diversos artigos, matérias e questões acerca do direito à dignidade no momento da morte, que levanta a problemática na questão da respectiva legalização e os efeitos do testamento vital. Ao final, verifica-se confirmação da hipótese que a dignidade da pessoa humana deve prevalecer, mesmo entrando em confronto com o dever do profissional médico, haja vista que todo ser humano tem direito à dignidade tanto em vida quanto em morte, pois a vida não é um valor absoluto. 

 


Texto completo:

PDF

Referências


ADONI, André Luis. Bioética e biodireito: aspectos gerais sobre a eutanásia e o direito à morte digna. Revista dos Tribunais, dez. 2003.

ARIÈS, Philippe. História da Morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias. (Trad.Priscila Viana de Siqueira). Rio de Janeiro: Ediouro, 2003

AMARAL, Ana Cláudia Zuin Mattos do; PONA, Éverton Willian. Fragmentos da autonomia e respeito à pessoa: um referencial de múltiplas fontes. In: Estudos em Direito Negocial: relações privadas e direitos humanos. ETINGER, Miguel de Araújo Júnior; AMARAL, Ana Cláudia Correa Zuin Mattos do (orgs.). 1ª ed. Birigui: Boreal Editora, 2015

ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Declaração sobre eutanasia. In: GODIM, José Roberto (Org.). Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/madrid.htm , 28 de maio de 2018

BEVILÁQUA, Clóvis. Direito das coisas. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003

BOBBIO, N. A era dos Direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 [1989]

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 19ª Edição, São Paulo : Editora Malheiros, 2006.

BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Direito de morrer dignamente: eutanásia, ortotanásia, consentimento informado, testamento vital, análise constitucional e penal e direito comparado. In: SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite dos (org.). Biodireito: ciência da vida, os novos desafios. São Paulo: RT, 2001. p. 32

BRANDÃO C. Câncer e cuidados paliativos: definições. In: Associação Brasileira de Cuidados Paliativos. Disponível em: http://www.cuidadospaliativos.com.br, acesso em 28 de maio de 2018

CAPUTO, Rodrigo Feliciano. O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Revista multidisciplinar da Uniesp. Saber acadêmico - n º 06 – Dez. 2008.

CARVALHO, Gisele Mendes de. Aspectos Jurídico-penais da Eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, 2001.

CARVALHO, Newton Teixeira. Ações declaratórias de existência e inexistência de filiação. Dom Total. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2013.

CASADO FILHO, Napoleão. Direitos humanos e fundamentais. São Paulo : Saraiva, 2012.

COELHO, Pe. Mário Marcelo. Bioética: o que a igreja ensina sobre (aborto, eutanásia, clonagem, pena de morte, células-tronco, ecologia, terrorismo). São Paulo: Canção Nova, 2007.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil brasileiro. 22. ed. rev. e atual. São Paulo:Saraiva, 2005, v. I.

DE CUPIS, Adriano. Os Direitos de Personalidade. Tradução de Adriano Vera Jardim e Antônio Miguel Caeiro. Lisboa: Livraria Morais Editora, 1.961.

DWORKIN, Gerald. Paternalism - Morality and the law. EUA: Wadsworth, 1971. p. 181-188.

FARIAS, Cristiano Chaves de. ROSENVALD, Nelson. Curso de Direito Civil. Teoria Geral dos Contratos e Contratos em Espécie. Vol. 4. 7ª Edição. Editora JusPodium. Salvador: 2017, p. 36.

FACHIN, Zulmar. Curso de Direito Constitucional. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2012

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo, Novo Curso de Direito Civil: V. I. Editora Saraiva. São Paulo: 2008,.

GARAY, Oscar Ernesto. Tratado de la Responsabilidad Civil en las Especialidades Médicas. Tomo I. Buenos Aires: Errepar, 2009, p. 282

HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. 21. ed . rev. LTC: Rio de Janeiro, 1986

MARTINELLI, João Paulo Orsini. Paternalismo Jurídico-penal. 2010. 297f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28de abril de 2018.

PESSINI, Leocir. Eutanásia: por que abreviar a vida? São Paulo: Centro Universitário São Camilo, 2004. M

Revista da Escola Enfermagem da USP vol.50 no.6 São Paulo Nov./Dec. 2016. (http://dx.doi.org/10.1590/s0080-623420160000700019 ).

ROMERO CASABONA, Carlos maria. El Derecho y La Bioética anel os limites de La vida humana. P421-422 apud CARVALHO, Gisele Mendes de . Aspectos Jurídicos-penais da Eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, 2001

SÁNCHEZ, Cristina López. Testamento vital y voluntad del paciente: conforme a la Ley 41/2002, de 14 de noviembre. Madrid: Dykinson, 2003

SANTOS, Boaventura de Souza. Crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência . 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

SARMENTO, Daniel. Direitos Fundamentais e Relações Privadas. 2ª Edição, Rio de Janeiro : Editora Lumen Juris, 2006.

VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2006


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil