COPARENTALIDADE: UMA FACE DA FAMÍLIA MULTIFACETÁRIA EDIFICADA A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988.

Chrislayne Aparecida Pereira de Figueiredo

Resumo


RESUMO: A vida da intimidade familiar sofreu um verdadeiro abalo sísmico em suas estruturas com novos valores axiológicos tutelados pela atual Constituição Federal. A coparentalidade é fruto da leitura jurídica e social da família alimentada pela seiva constitucional da dignidade humana, da afetividade e da liberdade individual, princípios basilares da família edificada a partir da Constituição Federal de 1988. O presente artigo tem em seu horizonte, a título de objetivo geral, apresentar a coparentalidade como mais uma opção de formação do núcleo familiar. Com o uso do método de abordagem dedutivo e do método de investigação bibliográfico, têm como fontes as legislações, as doutrinas e as jurisprudências brasileiras referentes ao direito de família e sua evolução histórica, bem como o trato jurídico e social para a coparentalidade.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Jones Figueiredo. Família por design. Disponível em: https://arpen-sp.jusbrasil.com.br/noticias/100443448/artigo-familia-por-design-por-jones-figueiredo-alves. Acesso em 27 nov. 2020

AMARAL AZEVEDO, Antonio Carlos do. Dicionário de nomes, termos e conceitos históricos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 24 de fevereiro de 1891). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm. Acesso em: 27 nov. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 27 nov. 2020.

BRASIL. Decreto nº 181, de 24 de janeiro de 1890. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/D181.htm. Acesso em: 27 nov. 2020.

BRASIL. Lei no. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em: 27 nov. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. (Quarta Turma). Recurso Especial Nº 1.183.378 – RS. Relator Ministro Luis Felipe Salomão. Julgamento 25 out. 2011. Publicação 01 fev. 2012. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=201000366638&dt_publicacao=01/02/2012. Acesso em: 27 nov. 2020.

CARDIN, Valéria Silva Galdino; VIEIRA, Tereza Rodrigues. Coparentalidade como novo modelo de entidade familiar-coparentality as new model of family. In, PILAU SOBRINHO, Liton Lanes; MEDICI, Alejandro Marcelo; FREITAS, Sérgio Henriques Zandona (Coords.) IX encontro internacional do Conpedi Quito – Equador: novo constitucionalismo latino-americano I. Florianópolis: CONPEDI, 2018. p. 119 Disponível em: http://conpedi.danilolr.info/publicacoes/5d6x83my/86bwk4w9/q801OzQ5dq1KWNvB.pdf. Acesso em 27 nov. 2020.

CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt Santos. Constituições primeiras do arcebispado da Bahia: educação, lei, ordem e justiça no Brasil colonial. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/artigos_pdf/Ana_Palmira_Casimiro1_artigo.pdf. Acesso em 27 nov. 2020.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 9. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

FARIAS Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de direito civil: famílias conforme a lei 13.509/2017 – altera sistema de adoção. 10 ed. rev. atual. e ampl. Salvador: JusPodivm, 2018.

GRZYBOWKI, Luciana Suárez. Ser mãe e ser pai: como compartilhar a tarefa educativa após o divórcio. In, WAGNER, Adriana (org.). Desafios psicossociais da família contemporânea: pesquisas e reflexões. Porto Alegre: Artmed, 2011.

LÔBO, Paulo. Direito civil: famílias. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

OLIVEIRA, José Sebastião de. Fundamentos constitucionais do direito de família. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

SCHNEIDER, Taline. Pais amigos: construindo famílias, desconstruindo preconceitos. Disponível em: http://paisamigos.com/coparentalidade/. Acesso em: 27 nov. 2020.

PAIVA, José Maria de; BITTAR, Marisa; ASSUNÇÃO, Paulo de. Educação, história e cultura no Brasil colônia. São Paulo: Arké, 2007.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Coparentalidade abre novas formas de estrutura familiar. Disponível em: https://www.anoregsp.org.br/noticias/18598/artigo-coparentalidade-abre-novas-formas-de-estrutura-familiar-por-rodrigo-da-cunha-pereira. Acesso em 27 nov. 2020.

SANTIROCCHI, Ítalo Domingos. O matrimônio no império do Brasil: uma questão de Estado. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2020.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite. Anual de direito das famílias e das sucessões. Belo Horizonte: Del Rey, 2008. p. 55.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições primeiras do arcebispado da Bahia. São Paulo: Typographia 2 de dezembro, 1.856.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil