A LEGITIMIDADE DEMOCRÁTICA DA CORTE CONSTITUCIONAL BRASILEIRA SOB A PERSPECTIVA DO CONSTITUCIONALISMO POLÍTICO IDEALIZADO POR RICHARD BELLAMY

Lucival Branto Paulino Filho, Richard Bellamy

Resumo


O presente estudo visa analisar a legitimidade democrática da atuação do Supremo Tribunal Federal Brasileiro (STF), enquanto Corte Constitucional. Discute-se acerca da efetividade dos fundamentos que embasam o Constitucionalismo contemporâneo para a tomada de decisões na mais alta corte brasileira, visto haver entraves que fazem com que não se enxerguem os procedimentos de maneira democrática e representativa. Nesse contexto realizar-se-á o estudo sob a perspectiva do Constitucionalismo Político defendido por Richard Bellamy, onde os fundamentos que o embasam serão o parâmetro para a observação do comportamento deliberativo, a composição e os demais aspectos de legitimidade da Corte Constitucional brasileira. Através do confronto de ideias e do enfoque de uma nova perspectiva constitucional, torna-se possível apontar mudanças a serem realizadas com o fim de elidir entraves democráticos existentes.


Texto completo:

PDF

Referências


BELLAMY, Richard. Constitucionalismo Político: Una Defensa Republicana de la Constitucionalidad de la Democracia; Tradução: Jorge Urdanóz Ganuza e Santiago Gallego Aldaz. 1ª ed. Madrid, Barcelona, Buenos Aires: Marcial Pons, 2010.

BOLONHA, Carlos; RANGEL, Henrique; SEPULVEDA, Antonio. Cortes constitucionais e instrumentalização da legitimidade. Revista do Direito Público, Londrina, v.10, n.1, p.171-187, janeiro/abril, 2015. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/direitopub/article/viewFile/20116/16217>. Acesso em: 26 ago. 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Proposta de Emenda à Constituição. PEC 275/2013 - Cria a Corte Constitucional; altera a composição, a competência e a forma de nomeação dos Ministros do Superior Tribunal de Justiça; altera a composição do Conselho Nacional de Justiça. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2013.

CÂMARA DOS DEPUTADOS, Comunicação. Colaboração: Caroline Pompeu. PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal. Câmara Notícias. Brasília. 08/01/2014. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

CÂMARA DOS DEPUTADOS, Comunicação. Reportagem: Thyago Marcel. Proposta transforma STF em Corte Constitucional. Rádio Câmara. Brasília. 20/04/2015. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7ª ed. Coimbra: Almedina, 2007.

CARDOSO, Rodrigo Mendes. As teorias do constitucionalismo popular e do diálogo na perspectiva da jurisdição constitucional brasileira, Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, v. 6, n. 2, p. 218-227, julho/setembro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2015.

COMPARATO, Fábio Konder. Entrevistadora: Katna Baran. O STF precisa se tornar uma corte constitucional. Jornal Gazeta do Povo (Online). Curitiba. 16/05/2013. Disponível em: < http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/justica-direito/entrevistas/o-stf-precisa-se-tornar-uma-corte-constitucional-ebu3qatli69bi9qpa6dgm4zm6>. Acesso em: 29 ago. 2015.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição constitucional democrática. 2. ed. Belo Horizonte: Arraes, 2014.

DAHL, Robert. A Democracia e seus Críticos. Tradução: Patrícia de Freitas Ribeiro; Revisão da Tradução: Aníbal Mari. 1ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

FALCÃO NETO, Joaquim de Arruda. O Supremo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

HABERMAS, Jürgen. Between facts and norms: contributions to a discourse theory of law and democracy. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1996.

GARAPON, Antoine. O Juiz e a Democracia: o guardião das promessas. Tradução: Maria Luiza de Carvalho. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999.

KELSEN, Hans. Jurisdição Constitucional. Revisão: Sérgio Sérvulo da Cunha. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MEDINA, José Miguel Garcia. A busca por uma Corte Constitucional para chamar de nossa. Revista Consultor Jurídico. São Paulo, 13/01/2014. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

MORAES, Alexandre de. Legitimidade da justiça constitucional. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, [S.l.], v. 98, p. 291-311, jan. 2003. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

MORAES, Alexandre de. Jurisdição constitucional e tribunais constitucionais: garantia suprema da constituição. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2013.

PUCCINELLI JÚNIOR, André. Curso de Direito Constitucional. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

ROCHA, Tiago do Amaral; QUEIROZ, Mariana Oliveira Barreiros de. O Supremo Tribunal Federal tem natureza de corte constitucional? In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 95, dez 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

SILVA, Ricardo Virgilino da. O conceito contestado de democracia republicana. In: 38 Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu. Anais eletrônicos do 38º Encontro Anual da Anpocs, 2014. Disponível em: < http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=9199&Itemid=456>. Acesso em: 07 nov. 2015.

STRECK, Lênio Luiz. Jurisdição Constitucional e Decisão Jurídica. 3ª ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013.

TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

WALDRON, Jeremy. A dignidade da Legislação; Tradução: Luís Carlos Borges; Revisão da Tradução: Marina Appenzeller. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil